Separação Obrigatória de Bens – Imóvel Adquirido – Doação – Inventário

O imóvel da matricula foi adquirido por venda e compra por Fulano, casado no regime da separação de bens, em 01-12-1990, artigo 258, § único, II do CCB, com Beltrana.

Agora foi apresentada a escritura de doação de Fulano para seu sobrinho e foi requerido na escritura a averbação do óbito de Beltrana.

Entendi que na aquisição de Fulano com Beltrana o bem se comunicou.

A escritura de doação pode ser registrada ou tem que primeiro ser feito o inventário?

Resposta:

  1. A escritura de doação não pode ser registrada sem que antes seja registrado primeiro o inventário dos bens pelo falecimento de Beltrana, e no caso de o imóvel ficar pertencendo exclusivamente para Fulano, em face da súmula do STF de nº 377;
  2. Apesar de essa sumula ser um tanto controvertida (prova de esforço comum, possibilidade de pacto antenupcial, com separação absoluta de bens ou de alguns que não é o caso) geralmente incide a comunicação. Essas questões controversas devem ser resolvidas pelas vias jurisdicionais;
  3. No caso a posição da serventia está correta e a questão se houve ou não comunicação do bem adquirido com Beltrana deve ser resolvido pela vias judiciais e pelo Juízo do processo no inventário desta;
  4. Ver APC’s de nºs: 1027173-17.2016.8.26.0100, 1005469-40.2018.8.26.0079, 111372-41.2015.8.26.0100 e 1005929-82.2019.8.26.00114


É o que entendemos passível de censura.

São Paulo, 08 de Junho de 2.020.

SUMULA 377 DO STF. 1. Em se tratando de casamento sob o regime obrigatório de separação total de bens, estabelece a comunicação de bens adquiridos na constância do relacionamento, independentemente de provas de que tenham sido provenientes do esforço comum, diante da presunção da contribuição de ambos os conviventes.

Deixe um comentário