Cancelamento de Penhora – Prefeitura – Emolumentos

O Município requereu o cancelamento da penhora solicitando a isenção do pagamento dos emolumentos, informando não ser parte no processo.

Como aviamos conversado anteriormente, não seria possível o cancelamento sem o depósito dos emolumentos, seria necessário a determinação judicial, correto?

Fico no aguardo das informações.

Resposta:

  1. As penhoras averbadas nos imóveis junto as matrículas, foram realizadas por determinação judicial do Juízo da Vara do Trabalho nos autos do processo de Reclamação Trabalhista;
  2. Apesar de o Munícipio não ser parte no processo, este requereu o levantamento das penhoras averbadas nos termos dos artigos de nºs 13, II e 217 da Lei dos Registro Públicos, incumbindo-lhes as despesas pela prática dos atos;
  3. O despacho do Juízo Laboral de 19-10-2.019 que determinou o levantamento das penhoras averbadas apesar de não atribuir ao Munícipio a obrigação de arcar com os emolumentos devidos pelos atos de cancelamentos/levantamentos das penhoras, também não determinou expressamente a gratuidade nos termos do artigo 9º II da Lei Estadual de nº 11.331 de 26 de Dezembro de 2.002;
  4. Os emolumentos de serviços notariais e registrais possuem natureza tributária, na qualidade de taxas remuneratórias de serviços públicos. Correspondem à contraprestação do serviço público que o Estado, por intermédio dos serventuários, presta aos particulares que necessitam de serviços públicos;
  5. Por outro lado, nos termos do artigo 30, VIII da Lei 8.935/94 são deveres dos notários e dos oficiais de registro, observar os emolumentos fixados para a prática dos atos de seu ofício sendo considerada infração disciplinar o descumprimento de quaisquer deveres descritos no artigo 30 da Lei 8.935/94 conforme artigo 31, V da citada Lei;
  6. O Oficial Registrador não dispõe de livre arbítrio para dispor dos emolumentos estando adstrito as hipóteses legais de isenção, podendo a conduta de não cobrar pelos serviços prestados por mera vontade amoldar-se a ato de improbidade que importa em atentado aos princípio da administração pública;
  7. Nessa toada a isenção dos emolumentos deferida apenas pelo Oficial Registrador pode caracterizar ato de improbidade administrativa nos termos dos artigos 11, I e 12, III da Lei de nº 8.429/1.992; (Aglnt no Agravo em Recurso Especial nº 1610181 – RJ – 2019/0323374-7)
  8. Portanto este Oficial Registrador não detém a competência para isentar os emolumentos devidos para a prática dos atos de cancelamento/levantamento das penhoras requeridas pelo Munícipio. De outra forma, a Municipalidade, pode requerer a determinação expressa pelo Juízo Laboral da gratuidade pela prática dos atos de cancelamento das penhoras nos exatos termos do artigo 9º, II da Lei Estadual de nº 11.331/2002, antes referida, ou determinação judicial nesse sentido;
  9. Por derradeiro esclarece que os atos de averbações de cancelamentos das penhoras serão cobrados na proporção de 20% do valor previsto na tabela II – Dos Ofícios de Registro de Imóveis conforme item 10 da tabela (relativo a penhora), além do que nos termos do artigo 8º da citada Lei 11.331/2.002 os Município são isentos do pagamento das parcelas destinadas ao Estado, à Carteira de Previdência das Serventias Não Oficializadas da Justiça do Estado (atual contribuição a Secretaria da Fazenda) , ao custeio dos atos gratuitos de registro civil e ao Fundo Especial de Despesas do Tribunal de justiça.

É o que sub censura nos cabia informar.

São Paulo, 23 de Novembro de 2.020.

LEI Nº 8.935, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1994.

Dos Direitos e Deveres

 Art. 30. São deveres dos notários e dos oficiais de registro:

        VIII – observar os emolumentos fixados para a prática dos atos do seu ofício;

       Das Infrações Disciplinares e das Penalidades

        Art. 31. São infrações disciplinares que sujeitam os notários e os oficiais de registro às penalidades previstas nesta lei:

        V – o descumprimento de quaisquer dos deveres descritos no art. 30.

LEI Nº 6.015, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1973.

Art. 13. Salvo as anotações e as averbações obrigatórias, os atos do registro serão praticados:

II – a requerimento verbal ou escrito dos interessados;

Art. 217 – O registro e a averbação poderão ser provocados por qualquer pessoa, incumbindo-lhe as despesas respectivas.                  (Renumerado do art. 218 com nova redação pela Lei nº 6.216, de 1975).

LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992

Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente:

I – praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de competência;

Art. 12.  Independentemente das sanções penais, civis e administrativas previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato:         (Redação dada pela Lei nº 12.120, de 2009).

III – na hipótese do art. 11, ressarcimento integral do dano, se houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

Deixe um comentário